18/01/15

note to self: não falar ao telemóvel com sono

Já não é de agora que eu me acho um tanto ou quanto desequilibrada, mas creio que a situação está com tendência a piorar - estávamos em chamada, numa dessas conversas tardias sobre coisas banais, mas de repente aconteceu algo muito estranho: o telemóvel estava em cima da mesinha de cabeceira, sossegadinho, a carregar. 

Fiquei confusa. Quer dizer, na realidade fiquei um bocado aflita e a pensar que a minha sanidade mental tinha dado o peido mestre e era desta que eu tinha de me internar num hospício; liguei-lhe, passava das duas da manhã.

eu: eu desliguei de repente?
ele: não, nem por isso, porquê?

O pânico intensifica-se. A minha namorada tem amnésia. O homem cuja memória se apagava em 20 segundos. Medo. Muito medo.

eu: tens a certeza? foi há quanto tempo?
ele: sinceramente, perdi a noção do tempo, adormeci...

Como assim? Como assim adormeceste se ainda agora estávamos a falar antes de o meu telemóvel se ter mexido por obra do demónio?

eu: o que é que eu disse antes de desligar?
ele: até amanhã, beijinhos. dorme bem.



Finalmente, nosso senhor jesus cristo iluminou-me as ideias e eu lembrei-me do momento em que nos despedimo e percebi que tinha adormecido e sonhado com a continuação da conversa. Também percebi que não sou recomendável a ninguém e que, valham-lhe os santinhos todos, ele precisa de ser mesmo um paz de alma para me aturar os surtos psicóticos todos. Ámen.

Sem comentários: