01/09/16

ainda não lhe contei que tenho um blog

[não te vou mentir: às vezes ainda me apetece fugir. apetece-me fugir exatamente na mesma medida em que te quero agradecer por não deixares. por teres aparecido na minha vida. às vezes quero fugir-te porque tens um sorriso adorável e porque o teu abraço é o meu novo lugar preferido; repito para mim o mantra não te apaixones, não te apaixones, não te apaixones, como se acreditasse realmente que está ao meu alcance impedir-te de me tocares o coração. 
não te vou mentir: às vezes também tenho medo que me fujas. lidar comigo é como viver em terreno minado: assusto-me, temo a minha própria sombra, temo os meus sentimentos. e os teus. mas depois vens e o mundo é mais bonito outra vez: e é a minha mão que se perde na tua, e é a minha cabeça contra o teu peito, e são as tuas palavras a fazer-me sentir.
não sei quanto tempo vais ficar na minha vida - não sei se serei corajosa que chegue para não te mandar embora. mas sei, tenho a certeza, de que és a resposta às minhas preces.

obrigada. 
obrigada por seres a coisa boa que eu tanto pedi.]