23 de janeiro de 2018

quantas calorias tem um kiwi?

Este é o post mais a sério sobre uma das coisas que eu vos vou dizendo a brincar - não é uma inspiração, nem sequer um pedido de ajuda. É o que é, porque a realidade nem sempre é o que gostaríamos que fosse.

Sempre estive acima do peso. Sempre.
Lembro-me de que, durante todos, absolutamente todos, os anos em que estive na escola, ia a tremer para aquelas primeiras aulas de educação física em que sabia que nos iam pesar, um a um, quase sempre à frente de todos; se, por ventura, essa pesagem era adiada, saía da aula mais aliviada do que se me tivesse livrado da forca. Tinha vergonha do meu peso e, agora, analisando a situação a frio, não sei dizer se o que me assustava mais era ter toda a gente a gozar comigo ou se era eu própria ser confrontada com a realidade.

Rasguei todos os relatórios dessa avaliação que me foram entregues. Nunca me ocorreu fazer o que quer que fosse para mudar a minha situação; estava infeliz mas tinha aceitado como verdade absoluta a premissa mais irrefutável de todas: era gorda, ponto final. E a vida corria.

Fugi sempre de balanças. 
Nunca tive muita noção do meu peso porque não me pesava, até ter entrado num ginásio e ter percebido que era, oficialmente, considerada obesa. Ah, e foi por isso que emagreceste? Não; as avaliações eram feitas, mais coisa menos coisa, uma vez por mês. O meu peso variava em dois ou três quilos, mas continuava um iô-iô. Um iô-iô obeso, já agora - a dada altura, cheguei a descer de categoria e passar a estar só com excesso de peso, mas consegui recuperar o meu posto. Para consultas futuras, fica o apontamento: não é mito. Ir ao ginásio três ou quatro vezes por semana não vai fazer grande diferença se continuarem a comer que nem porcos.

Foi preciso um susto, claro. 
Aos 20 anos foi-me comunicado que uma das minhas peças de origem já não estava em condições de continuar e, na impossibilidade de encomendar outra para troca, ia ter mesmo de funcionar com uma peça a menos - quero aproveitar para mandar um beijinho grande à minha vesícula e dizer-lhe que me estou a aguentar muito bem com a nossa separação; bem podes ficar por aí, pelas terras do além das vesículas, mais 80 anitos sem mim.

Percebi que algo tinha de estar muito errado: não é propriamente incomum que as vesículas se avariem antes do tempo e tenham de ser retiradas, mas é assustador que isso aconteça em alguém tão jovem. Ainda por cima tendo em conta que a minha estava particularmente mal estimada - dizia-me a médica, já depois da cirurgia, que eu nem sabia o quão doente estava. Livrei-me de uma bomba relógio e percebi, finalmente, que era melhor não criar outra.

Começou por obrigação: no primeiro mês, é estritamente necessário que se siga à risca uma dieta rigorosa, para habituar o organismo a viver com um orgão a menos. Depois, foi porque gostei do resultado.

A brincar e sem grandes dramas, perdi 20kg. Comprei uma balança e comecei a pesar-me sem medo, sem vergonha, sem sentimentos de culpa. Não fiquei magra, entenda-se, pelo menos segundo os padrões da sociedade - mas cheguei a um ponto em que estava confortável, em que gostava da imagem que via ao espelho, em que gostava de me ver na roupa, em que sentia, enfim, orgulho na mudança. 

O que é que poderia correr mal, não é? Vindo de mim, qualquer coisa.
O peso torna-se numa obsessão. Eu gostava de conseguir ser mais descontraída, de assumir que é normal, por exemplo, que tenha engordado na época das festas, dado que só fechei a boca às gordíces para as mastigar, especialmente agora que o meu trabalho é bastante parado. Mas não sou; fiquei maluca quando vi que o peso tinha aumentado, piorou quando me disseram que eu estava mais gorda, e agora juntei isso à minha resolução de perder mais uns quilos.

Não acho que esteja propriamente errado ter reduzido a quantidade de comida, numa tentativa de ajustar o que como à energia que gasto, nem é assim tão mal pensado ter trocado o iogurte a meio da manhã por fruta - mas pesar-me todos os dias, frequentemente mais do que uma vez ao dia, é um absurdo. Ficar com a consciência pesada de cada vez que ponho alguma coisa à boca, é doentio. Pesquisar quantas calorias tem um kiwi só porque, por algum motivo, ando viciada em kiwis, é igualmente estúpido.

Escusado será dizer que em poucos dias estava de volta ao peso inicial, o tal de antes das festas, mas agora já não consigo estar satisfeita com o meu corpo outra vez. O estás mais gorda ainda não me saiu da cabeça.

E a obsessão saga continua.

2 comentários:

Anónimo disse...

First things first: parabéns. Parabéns, rapariga! Perdeste 20kgs e independentemente dos outros que queiras perder, isso é uma vitória. Be proud of yourself!

Estou muito solidária com este teu post. Eu já não sou propriamente "gorda" há alguns anos e mesmo antes era, enfim, mais gordinha que obesa, e mesmo assim as aulas de educação física em que nos pesavamos eram um pesadelo para mim. Era, sempre fui, uma das maiores da minha turma, das mais pesadas. Subir para a balança em frente de toda a gente era humilhante e, olhando para trás, um bocado pointless — a educação física educa muito pouco e nunca me fez perder kilo nenhum que eu tivesse a mais.

Sei que provavelmente não precisas que te relembrem disto mas: é super okay teres ganhado algum peso nas festas. É altura disso, happens to everyone. E é super okay quereres perde-lo. E tu sabes que o número na balança não interessa assim tanto (eu peso actualmente quase 70kgs — muito diferentes dos 70kgs que pesava há uns anos!).

Por fim, a verdadeira razão que me fez comentar: pondera consultar um nutricionista, alguém de confiança, se ainda não o fazes. Foi uma coisa que eu adiei imenso — eu achei que já sabia comer bem — e agora que dei esse passo, sinto-me finalmente a chegar mais perto de alguns objectivos. Por exemplo, dizes que substituíste o iogurte por fruta. Isso não é necessariamente uma coisa má (depende do iogurte que costumas comer :) mas a fruta é essencialmente... açúcar. Sim, é natural, é saudável e é açúcar. Por isso é possível que tenhas substituído o teu lanche por algo menos saciante e mais rico hidratos rápidos, o que pode não ir de encontro aos teus objectivos! Daí o nutricionista. :)

Desculpa o testamento e espero não soar desagradável ou condescendente, mas este é um assunto que me diz TANTO e identifico-me tanto contigo! Todo o sucesso para chegares onde queres e muita força. Um beijinho :)

ernesto disse...

Obrigada! :) E, desde já, não tens mesmo de pedir desculpa. É bom saber que alguém se sentia tão mal quanto eu - por aqui, o mesmo. Sempre uma das maiores (desde os meus 12, 13 anos que tenho 1,68m. tinha miúdas mais altas na turma mas continuava a sentir-me o elefante por ser grande e gorda), e sempre das mais, ou a mais, gorda.

É verdade que nunca consultei um nutricionista, sim. Limitei-me a guiar pela dieta que me deram depois da cirurgia - não a sigo à letra hoje em dia, nem conseguia, que me custou mais que muito andar 2 semanas a comer só maçãs e pêras cozidas ou assadas. Quanto ao iogurte, compro aquele balde de 1kg de iogurte grego natural, do lidl :) mas reconheço que o que me fez fazer isso foi mesmo o desespero de querer ver resultados para ontem, e é absurdo deixar-me entrar nesta onda outra vez, que eu já vi que consigo perder peso com calma e sem dramas, basta que queira.

Obrigada pelo conselho e pelo comentário, mesmo! Um beijinho :)