28/12/16

do ser-se gay

Lembro-me bem de ouvir os amigos chamarem-lhe gay - acredito que nunca com o intuito de ofender mas, ainda assim, atribuíndo uma conotação negativa a gay, como se fosse algo de que as pessoas se devessem envergonhar, como se fosse uma doença contagiosa, como se estivesse errado. E não está. 

Não há absolutamente nada de errado em ser-se gay - se eu não escolhi a pessoa de quem gosto, como é que ouso convencer-me de que alguém poderia ter escolhido gostar de alguém do mesmo sexo? Não se escolhe; acontece. Um dia, somos arrebatados de surpresa. Um dia, damos por nós a pensar em alguém a meio do dia, só porque passou na rádio aquela música de que ele tanto gosta. Ou que ele detesta. Outro dia, apercebemo-nos do sorriso tolo que se nos aflora os lábios sempre que a recordação dele surge. E, mais tarde, descobrimos aquela sensação esquisita no peito, tão, mas tão boa, só de pensar no abraço que lhe vamos dar. Gostar de alguém é assustador mas também consegue ser a melhor coisa do mundo - que importa de quem se gosta? Que importa o sexo? Que importa o que vão dizer, se nos faz tão felizes?

Não há nada de errado em ser-se gay, mas acredito que o tenham feito sentir que sim - enquanto o diziam, em tom de gozo, ele deveria estar ali, a desejar conseguir interessar-se por uma miúda, a desejar não ser diferente. A desejar que eles não tivessem razão - calado, a fingir que estava feliz, que nada daquilo o afetava, mas a sentir-se a sufocar pelo segredo que, à luz dos comentários, parecia quase impassível de ser revelado. E lamento isso por ele. Lamento porque ninguém merece esse sofrimento, ninguém merece achar que é errado gostar-se do que se gosta. Do que o faz mais feliz.

Um dia o mundo vai entender que a única coisa anti natura é alguém ter de fingir que gosta do sexo oposto para não ser diferente. A única coisa anti natura é ser-se infeliz porque ninguém consegue lidar com uma felicidade diferente.

2 comentários:

Zé do Pipo disse...

Não sou assim tão otimista em relação ao mundo. Em relação às pessoas que fazem o mundo.

м♥ disse...

Tal e qual! Concordo com tudo. Todos deveríamos ter o mesmo direito de amar quem quer que seja.