28/02/16

no que uma pessoa se torna

Tenho alma de lontra obesa desde que me lembro de mim, e uma tendência terrível para engordar; não fui presenteada com aquela lombriga que permite comer por oito obesos e continuar com a barriga colada às costas; a pessoa engole um bocadinho de ar sem querer e engorda logo três quilos.

Deixei o ginásio no início de fevereiro; não definitivamente mas porque contava ser operada muito em breve e porque me apercebi que, se não parasse, se não conversasse com pessoas, ia acabar por enlouquecer. Saltitar de casa para o estágio, do estágio para o ginásio e do ginásio para casa cansava-me o suficiente para que eu adormecesse cedo mas não mudava a forma como eu me sentia nas horas em que estava acordada e completamente entregue a mim mesma.

Foi a pior decisão que eu tomei; além de ter enfofinhado porque voltei para as aulas e continuei a comer, comecei a trepar paredes a meio do mês mas não quis dar o braço a torcer e pagar o mesmo, por duas semanas, que pago por um mês inteiro. Estacionei o cu e fiquei a contar os dias.

Isto para vos dizer que hoje me sinto uma prisioneira a fazer risquinhos na parede e a contar os dias até à liberdade - ainda é só depois de amanhã e eu já estou a morrer de vontade de arrumar a mala para voltar a levar o cu de lontra a ver o que é que é bom para a tosse. Oh deus.

1 comentário:

esperto que nem um alho disse...

Ficaste a contar os dias, ou a contar os quilos? ahahah