28/06/16

silly me

Na fugidinha do mês passado, trouxe de frança um vestido amarelo. Um vestido amarelo-sol, comprado na minha viagem mais triste, mais sombria, mais dolorosa. Num dos períodos mais difícieis que passei até hoje: e, ainda assim, no meio de todo o cinzento da minha vida, é um vestido amarelo. Amarelo-sol.

Foi por isso que o escolhi agora: os meus dias zero têm falhado redondamente, os recomeços têm de começar de dentro para fora, e não tem sido fácil. E lembrei-me do vestido como um hino à esperança. Amarelo-sol, para esses dias em que o sol não brilha, para esses dias em que eu me esqueço de que o sol vai sempre voltar a brilhar. 

4 comentários:

C.N. Gil disse...

...nem o humor mais ressequido consegue evitar que o sol volte a brilhar...

:)

Agridoce disse...

Muitas vezes, é nos dias em que me sinto pior, que me visto melhor! Que esse vestido amarelo te continue a lembrar que o Sol volta mesmo sempre a brilhar :)

homem do leme disse...

Não há nada que mais alegria dê a uma pessoa, do que um vestido que deixe ver a peidola à mínima brisa da tarde. eheheheheheh

Joana Sousa disse...

<3

Jiji