28/06/16

sinais de que devem muito pouco à coragem

Noite de são joão.
Carrocéis. Vários carrocéis. Alguns deles até - imaginem só! - destinados a adultos.

Façam o óbvio: escolham um para crianças. Uma casa assombrada - mas, entenda-se, é essencial que escolham alguém tão conas quanto vocês, para garantirem que terá de se juntar à festa uma terceira pessoa. Alguém tinha de ir à frente, não é?

Assustam-se a cada cinco centímetros. E, eventualmente, chegam à conclusão de que nem fazia assim tanto sentido - aquela outra casa assombrada a que vocês foram em crianças era muito mais gira. Que era. Ou isso ou vocês tinham menos de 20 anos, o que talvez mude um bocadinho as coisas.

Chegam ao fim: a saída é uma roda-tipo-sou-um-hamster. E vocês têm de a atravessar: sim, vocês. Lontras obesas azaradas. Imaginam-se a cair, a fraturar costelas e dentes e a ser alvo de chacota das muitas - tantas! - gentes que por ali andam. Portanto: hora de tomar uma decisão adulta.

Aproxima-se um gajo desconhecido. Ordenam-lhe: entras na roda, dás-me a mão e ajudas-me a sair.
E sim, aos 20 anos, vocês saem de uma diversão para crianças de mão dada com um desconhecido, porque estavam com medo de se esbardalhar. Parabéns! 

1 comentário:

homem do leme disse...

Pode ser o princípio de uma relação para a vida. xD