03/11/15

o dia em que a cinderela parece ter andado mesmo nas drogas

Torna-se percetível que a minha vida não está a atravessar a melhor fase quando o ponto alto do meu dia foi encontrar um gato na rua, fazer-lhe uma festinha e a criatura nunca mais me largar.

Quando dei por mim, estava sentada num banco há não sei quanto tempo, numa praça, com um gato ao lado a pedir festinhas enquanto eu falava com ele com uma voz ainda mais apitalhada do que a que já me é característica.

E sim, passaram pessoas entretanto.
Várias.
(a avaliar pelo sorriso de «coitadinha, é retardada», podia ter tirado uma bota e ficado à espera que a começassem a encher de moedas)

Sem comentários: