12 de dezembro de 2017

a saga das entrevistas: cinderela e o público

Com o meu currículo à frente, onde estava explícito que trabalhei num hospital e descritas algumas das minhas funções, que envolviam cuidados ao utente, pergunta-me:

- mas nunca lidaste com o público, pois não?*

...
...
...


Acredito que o meu choque face a esta pergunta não seja compreendido por muitos de vós mas, não querendo puxar a brasa à minha sardinha, parece-me que trabalhar num hospital seja o teste mais violento à nossa resistência e capacidade de lidar com o público. Há doentes que são uns doces, mas também os há bem filhos da puta - geralmente, esses são os que ficam por lá mais tempo, a tentar enlouquecer os mais variados profissionais de saúde. E sim, há que ser simpático e prestável, mesmo com aqueles que nos tiram do sério e estão, claramente, a gozar com as nossas caras.

Quem aguenta aturar um paciente que nos maltrata durante meses, meus caros, aguenta qualquer guerrinha momentânea em qualquer outro tipo de emprego.

3 comentários:

Marisa disse...

Quem te perguntou isso deve um pouco à inteligência. Quer dizer, se uma pessoa trabalhou num hospital, e cuidou de utentes (!), é capaz de já ter lidado, e muito, com o público... Digo eu, laica nestes temas de recursos humanos ;P

Jota Esse disse...

Ahahah. Podias trabalhar na morgue do hospital. lol

P.S.
aqui entre nós e sem nada a ver com o post: não me denuncies aquele perfil "metenojo" que uso para "trollar" nos comentários dos jornais, mas não resisti àquele piropo de trolha. lol

ernesto disse...

Marisa, também me parece um bocado óbvio! Não sei...

Jota Esse, até poderia ser esse o caso, mas estava especificadas no currículo algumas das minhas funções. Não havia grande margem para dúvidas...

Quanto ao perfil, eu realmente vi que tinha um pedido de mensagem, mas estava tão danada com outras coisas que abri, li, e dei o mesmo tratamento que a todas as outras que tenho nessa caixa: ignorei. Não parei sequer para pensar em quem seria, mas realmente parece coisa tua ahah