quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

a saga das entrevistas: cinderela inexperiente

Lembro-me de ter entregue o currículo numa loja de roupa, que estava a precisar de uma funcionária, e a rapariga ter dito mas não tens experiência na área, com ar de quem tinha pena de mim. Claro que nunca cheguei sequer a ser chamada para uma entrevista. Não tinha experiência.

Na verdade, eu nem estava assim tão interessada naquela vaga em específico, mas a verdade é que isto é comum à maior parte das vagas de emprego. Ninguém parece disposto a dar a oportunidade de alguém mostrar que pode ser tão bom, ou melhor funcionário ainda, do que outro com mais experiência. Porque pode, meus caros, e o que não falta por aí é gente irresponsável com bons trabalhos.

Acho absolutamente incrível que as pessoas tenham tanta facilidade em esquecer-se de onde vêm. Todos, absolutamente todos, desde a empregada doméstica ao médico, desde o pedreiro ao arquiteto, por mais que tenham graus de formação bastante diferentes, tiveram de começar do 0. Sem experiência - não sei se estarei a dar uma novidade a alguém. Talvez andem por aí boas almas convencidas de que já se nasce doutor.

Curiosamente, acabei num sítio onde o que tive de aprender foi bastante mais complexo do que dobrar camisolas e separar calças por cores. E aprendi rápido, vejam só! Não me fecharam a porta por terem de me ensinar tudo do zero, ainda que não fosse coisa que se aprendesse num dia. Deram-se ao trabalho de apostar em mim pela pessoa que mostrei ser na entrevista, e não pelo currículo.

Contudo, infelizmente, pessoas assim são cada vez mais raras.

5 comentários:

i. disse...

Concordo absolutamente. Quando são substituições temporárias (por licença de maternidade, ou coisas do género), percebo que seja necessário alguém que já saiba fazer as coisas. Noutras situações, é só ridículo... Como é que vamos ter experiência se nunca tivemos essa oportunidade?

Jota Esse disse...

Acho que foi o Belmiro de Azevedo que disse: entre o nascer e o morrer, a diferença é um fato e um par de sapatos.
É muito "engraçado" muitas empresas exigirem experiência, mas poucas são as que dão oportunidade de ganhar experiência.
E algumas não admitem pelo currículo, mas pelo cu rico que a gaja tem. eheheheh

ernesto disse...

i, concordo! Quando precisam de um funcionário com urgência, por exemplo, porque alguém adoeceu e está de atestado, é compreensível que precisem de alguém com experiência. Agora, quando, à partida, será para um cargo estável, não vejo o porquê de rejeitarem logo quem não tem experiência. Todos podemos aprender, se se derem ao trabalho de nos ensinar.
Candidatei-me a algumas vagas onde permitiam o 12ºano incompleto até. Não dá mesmo para entender.

jota, não há cu rico que bata ser prima do Dr Cunha!ahah
É ridículo mesmo. Lembro-me de ter visto um café (ou restaurante?) a precisar de um empregado de mesa com, no mínimo, 7 anos de experiência xD

Marisa disse...

E do que vale a experiência se não houver vontade de aprender e de trabalhar? Se alguém não quiser se esforçar muito mas tiver experiência fica com o trabalho, em vez da pessoa que quer dedicar-se e, talvez, fosse melhor funcionária, mas não tem experiência. E se não se dá a oportunidade a alguém sem ou com pouca experiência essa pessoa nunca poderá demonstrar o seu valor, e ganhar mais experiência, e vai continuar ser negada para entrevistas (nem falo para os cargos). É uma espécie de ciclo vicioso e meio nojento da actualidade laboral

ernesto disse...

Sem sombra de dúvida de que esse é um dos grandes problemas. Aliás, acredito até que, em alguns casos, pessoas com experiência tragam na bagagem alguns vícios que não conseguem perder no novo emprego.
Sem oportunidades, não há experiência e ponto final. Há por aí tantos maus funcionários... mas enfim.