08/12/14

obrigada.

Por mais triste que isto seja, o ponto alto do meu dia - quiçá do meu fim de semana -, foi aquele em que uma amiga me disse «e quando estás tão bêbeda que parece que se passaram uns minutos e passaram-se horas?», e eu fiquei feliz ao recordar-me daquela noite em que eu me enfiei num cubículo da casa de banho porque era a única maneira de ninguém me impedir de mexer no telemóvel - mas a sério, eu prometo sempre a mim mesma que não o vou fazer e até já cheguei a deixá-lo na mala, no cabide, mas inventei uma desculpa e fui buscá-lo. trust me, acaba SEMPRE mal -, porque naquela noite em específico eu precisava de ter conversas profundas e atar as pontas soltas do passado numa língua estranha, misturada com código morse. Estava capaz de jurar que não tinham passado nem dois minutos e, de repente, duas amigas minhas quase arrombavam a porta porque eu estava lá metida há uma eternidade e já pensavam que me estava a dar uma coisinha má.

Hoje, pela primeira vez, alguém confessou que lhe acontece o mesmo. Eu ainda não tinha conseguido entender este fenómeno e já vi demasiados filmes para me sentir segura em relação a isto.

Sem comentários: