27/08/13

das confissões estranhas agendadas a meio da noite

Lembro-me de, por qualquer motivo, ter publicado uma foto do meu quarto ainda no meu primeiro blog e toda a gente ter ficado chocada. Ninguém me imaginava a gostar de cor de rosa, e parecia inconcebível que tivesse uma parede dessa cor. 

Ora, isto pode parecer chocante à primeira vista, mas o meu quarto é digno de uma casa de bonecas, todo pirosinho em rosa e verde, e - surpreendam-se - eu gosto muito dele assim. Mais: tenho flores e borboletas coladas na parede. Combina muito bem com o ar de padeira de aljubarrota que aqui demonstro, não é?

Sinceramente, estou-me a cagar para isso. Talvez isto signifique apenas que a minha personalidade não é estável. Ou então é sinal de que sou mais uma dessas pessoas estranhas, com os gostos todos fodidos, que aos 18 anos ainda não distinguem a direita da esquerda sem verem em que pulso está o relógio (so sad). Tipo aquele gajo que achava que era gótico e muito mau, com quem uma amiga minha me fez falar uma vez, que além de ser super mau, tinha um coelhinho pequenino e branco, chamado nico. 

E, no entanto, nem acho que a infância me tenha sido arrancada à pressa. Brinquei com bonecas até aos 12 anos, e aos 13 ainda tinha os posters que vinham nas revistas da barbie colados na parede. Mas se querem saber, não me envergonho disso. E até digo mais: à vezes tenho saudades de brincar com bonecas. Muitas mesmo. Que posso fazer com isso? Talvez precise, de vez em quando, de fingir que ainda posso ser a menina que fui.

1 comentário:

somaijum disse...

Não vejo onde é que está o mal.
Eu tenho quase 26 anos e se ela deixasse, ainda brincava com bonecas. Se "ela" e as "bonecas" deixassem... xD
A sério, acho que todos nós conservamos um pouco do que fomos, quando mais jovens e não me parece que tal seja negatio.
Pode ser mal visto pelos que sofrem de velhice precoce, mas isso é um problema deles.
Eu não pretendo armar em "semprejovem", mas não quero perder a favor da velhice tudo o que, afinal, fez de mim o que sou. :-)