15/03/15

tirei um peso das unhas

Andava espantada com este lado girly surgido do nada; qualquer pessoa que me conheça bem sabe que eu sou tão menina quanto o zezé camarinha e eu ainda não tinha percebido que raio de surto psicótico teria desencadeado a minha vontade súbita de fazer unhas de gel, há uns meses atrás.

De qualquer forma, acho que já não vou a tempo de perceber - hoje, tirei-as sem dó nem piedade. Sou demasiado inconstante para me aguentar um mês com as unhacas da mesma cor, com os mesmos desenhos, sem começar a evitar olhar para elas, ou a fazê-lo com desdém, porque não tenho dinheiro para as fazer duas ou três vezes num mês nem concebo ir vender o cu para andar com as garras bonitas.

E bateu aquela saudade das minhas unhas pretas, de verniz sempre estalado, e peles à volta; é uma imagem muito pouco bonita e ainda menos feminina, mas é a minha própria imagem; nunca fui de perfeição extrema nem de partes intactas. Sou um todo estranho e absolutamente desarranjado mas já não quero saber. Prefiro essa maneira aleatória de ser, sem planos, sem regras e, sobretudo, sem pretensão de parecer imaculada. Não sou, nem quero ser.

Sem comentários: