28/01/14

short horror story

Chega sempre aquela altura em que eu acho que toda e qualquer pessoa que estacione a menos de três metros de mim vai passar o tempo todo a perguntar-se porque é que, com um bigode destes, eu não mudo o nome para ernesto, tiro a carta de pesados e ingresso numa carreira de camionista machona.

Paranóica que só eu, fui tratar disso antes que o dito bigode começasse a ganhar piolhos, rezando para que ninguém tivesse notado as estranhas semelhanças entre mim e um macho latino nos últimos tempos. 

Agora, imaginem o quanto me apeteceu fazer um corte suficientemente profundo na garganta para gerar uma fonte de sangue quando, pouco depois de ter chegado à escola, um amigo meu se sentou ao meu lado e disse foste fazer o buço!



Okay, ele reparou logo, por isso ele devia estar farto de se perguntar porque raio teria sido uma jovem fêmea dotada de uma barba rija que só a minha, e se eu nunca teria ouvido falar da existência do poder milagroso de uma gilete. Oh deus, eu nunca vou ser uma lady porque nasci para ser macho e não sabia, agora como é que volto a olhar para o moço, uhmmm?

Entretanto lá me explicaram que não foi nada disso, mas ele tinha andado à minha procura e disseram-lhe onde eu estava. Mas eu sou sensível, não podem fazer estas coisas comigo.

Sem comentários: