25/02/14

ser gaja também é isto

Há memórias que deviam ficar guardadas num recanto da mente, trancadas a sete chaves e com um aviso de que é mais corrosivo do que muitos ácidos. Memórias que deviam dissolver-se na passagem do tempo, desaparecer - mas não desaparecem. Ou porque marcaram o passado, ou porque são presentes e somos nós quem teima em empurrá-las para um ontem que passou há muito. 

Hoje acordei estupidamente carente, absurdamente triste. Não saberia explicar porquê - ou então sim, mas ninguém entenderia.

Sem comentários: